Plano de desenvolvimento, Porto de Santos

AGEM lança plano de desenvolvimento da Baixada Santista

AGEM lança plano de desenvolvimento da Baixada Santista 1024 640 Geo Brasilis

Equipe do projeto Litoral Sustentável acompanhou o lançamento em Santos

Fonte: Litoral Sustentável

03/09/2013

Santos – Na última segunda-feira (02/08/2013), a Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem) lançou o Plano Metropolitano de Desenvolvimento Estratégico da Baixada Santista (PMDE-BS) e o Plano de Ação da Macrometrópole. O evento aconteceu no Teatro Guarany, em Santos. Integrantes da equipe do Projeto Litoral Sustentável – Desenvolvimento com Inclusão Social acompanharam o evento.

Rovena Maria Carvalho Negreiros, diretora de Planejamento da Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa) apresentou o Plano de Ação da Macrometrópole (PAM) 2013-2040. O plano é dividido em três eixos: Conectividade do território e competitividade econômica; Coesão territorial e urbanização inclusiva; e Governança metropolitana.

De acordo com Rovena, o plano pode ser incorporado nos Planos Plurianuais (PPAs), além disso, diferentes níveis de governo precisam pactuar a realização dos projetos. Os projetos serão viabilizados com investimentos do governo federal, governo estadual e privado. “A questão da governança é a mais difícil”, avalia a diretora da Emplasa. O PAM terá um sistema de acompanhamento com indicadores para verificar a sua implementação.

Encarte especial no jornal A Tribuna sobre o Plano Metropolitano de Desenvolvimento Estratégico da Baixada Santista

PMDE-BS

O Plano Metropolitano de Desenvolvimento Estratégico da Baixada Santista terá quatro eixos: Mobilidade e acesso; Habitação; Saneamento; e Desenvolvimento Econômico. Segundo José Roberto dos Santos, diretor da Geo Brasilis Inteligência Territorial – responsável pela elaboração do PMDE-BS, o plano prevê a descentralização dos investimentos econômicos na região para o desenvolvimento de novas vocações nos municípios.

A partir da identificação de lacunas de atendimento para as demandas crescentes, o PMDE-BS traz uma agenda de necessidades de investimento, denominada Cartilha de Investimentos, com o objetivo de orientar ações e projetos dos municípios e do Governo do Estado de São Paulo na região, de acordo com Fernanda Faria Meneghello, diretora Técnica Adjunta da Agem. As ações visam o desenvolvimento equilibrado da Baixada Santista e consideram as especificidades e singularidades ambientais.

PMDE da Baixada Santista, 2014-2030, elaborado pela Geo Brasilis

Investimentos na região

No evento também apresentados diferentes investimentos e projetos que o governo estadual tem feito para região.

Luciano Ferreira da Luz, Gerente de Planejamento de Transportes da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), falou sobre a construção de uma linha ferroviária que ligaria a região da Baixada Santista à São Paulo, com 58 km de extensão. A linha se conectaria com o metrô e faria o percurso de São Paulo à Santos em 35 minutos. A implementação da infraestrutura demorará de 6 a 9 anos, de acordo com Luciano.

Outro projeto apresentado foi o Túnel Santos – Guarujá, cujo estudo ambiental já foi protocolado na Cetesb, de acordo com Estanislau Marcka, assessor da Presidência da DERSA – Desenvolvimento Rodoviário. O túnel será submerso e ligará o bairro do Macuco, em Santos, ao bairro de Vicente de Carvalho, no Guarujá. As obras tem previsão de início em julho de 2014 e término em 2017. Para sua realização, será necessário remover famílias que vivem em Vicente de Carvalho.

A Sabesp e a Secretaria Estadual de Habitação também apresentaram projetos em andamento na região. O evento foi finalizado com uma fala da ONU-Habitat – Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos,  sobre governança metropolitana.

A GEO BRASILIS utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossa plataforma. Ao continuar navegando, você concorda com as condições previstas na nossa Política de Privacidade.
Privacidade